Registrada em 06 de abril de 2009

A ALACIB é uma Associação Literária sem fins econômicos, com sede e foro em Mariana, Minas Gerais, CNPJ 10778442/0001-17. Tem por objetivo a difusão da cultura e o incentivo às Letras e às Artes, de acordo com as normas estabelecidas no seu Regimento. Registrada em 06 de abril de 2009.

Diretoria da Academia de Letras, Artes e Ciências Brasil
Presidente: Andreia Aparecida Silva Donadon Leal
Vice-Presidente: J.S. Ferreira

Secretário-Geral: Gabriel Bicalho
Tesoureiro: J. B. Donadon-Leal
Promotora de Eventos Culturais: Hebe Maria Rôla Santos
Conselho Fiscal e Cultural: José Luiz Foureaux de Souza Júnior, Magna das Graças Campos e Anício Chaves

Acadêmico GILBERTO MADEIRA PEIXOTO
Cadeira nº 29
Patrona: Carlos Chagas


 

Notas Biográficas de Gilberto Madeira Peixoto

Médico UFMG/1964 – prêmio Oswaldo Cruz; Membro Titular da ALACIB – Mariana - Cadeira 29; Grand Ambassadeur de Divine Académie Française des Arts Lettres et Culture; Membro da Soc. Bras. Poetas Aldravianistas; Correspondente de Academia de Letras Rio Cidade Maravilhosa; Correspondente de “la Academia Paraguaya de laHistoria”; Membro da Assoc. dos diplomados da Academia Brasileira de Letras (vice Presidente 2016-17);Correspondente do Núcleo Acadêmico de Letras e Artes de Lisboa-Portugal; Correspondente Estrangeiro da Academia de Letras e Artes de Portugal (ALA); Membro do Instituto Histórico Geográfico de Minas Gerais (Vice Presidente 2013-16); Membro da Academia Brasileira de Médicos Escritores (ABRAMES); Comenda Barão de Ayuruoca, (março 2017); 108Homenagens e/ou Condecorações; 48 participações em antologias nacionais e internacionais; Presidente eleito da Cruz Vermelha Brasileira em Minas Gerais – 2014-2020.Ex Presidente de: Associação Nacional de Medicina do Trabalho (1983/85);Instituto Mineiro de História da Medicina (2000-2002); Academia Mineira de Medicina (2009-2011) e da Arcádia de Minas Gerais (2011-2013).

Alocução de Posse

Chego a este Sodalício, para ocupar com orgulho e, sobretudo, com humildade, a Cadeira 29 cujo patrono é Carlos Chagas, cientista da maior grandeza que teve, com seu estilo, o poder de transportar-me para mundos de encantos, na emoção da leitura de suas pesquisas a embalar meus sonhos, fazendo-me descobrir a beleza da vida pela ciência.
Com profunda emoção recebo tão alta distinção, fico sensibilizado e agradecido pela recepção carinhosa, neste silogeu reservado a figuras notáveis e brilhantes da intelectualidade mineira que irradiam cultura e prestígio.
Agradeço a Deus o dom de ter me permitido viver este momento de anseio ao transpor os umbrais desta Casa possibilitando que se amplie minha família espiritual num momento de evocação sentimental e de respeito ao lado de vocês.
É, portanto, para mim motivo de distinção e honra estar aqui neste cenáculo, nesta tarde solene, para receber o diploma de acadêmico outorgado por esta insigne academia que ora me empossa, e assim enfatizar meus agradecimentos à Professora Deia Leal que com tanta sabedoria sabe brilhar e fazer sua alegria reinar e espargir sobre nós.
Neste ambiente em que respiro emoção e tradição devo retroceder aos jardins de Akademus, (não na palingenesia de Schopenhauer), porquanto esta Casa significa extensão da Grécia, onde houvera homens dignos de memória pela sua contribuição para a educação (kata paideian); ali surgira, igualmente, a primeira Universidade (Universitas), ao ar livre, nos arredores de Atenas, lugar denominado Akademeia em que se reuniam os seguidores de Platão.
O papel de Platão parece ter sido não o de um "mestre" ou até de um diretor do seminário, distribuindo temas para pesquisa ou prêmios de ensaios, mas o de um pensador individual; seu discernimento e capacidade na formulação de um problema lhe permitiram oferecer um conselho geral ou uma crítica metódica a outros pensadores individuais que se consideravam igualmente competentes para lidar com os detalhes dos diversos assuntos.
As alegações de Platão In academiae opinio magistri probabilis tantum (a opinião dos mestres deve ser considerada unicamente como provável), corroboravam que na Universitas "sábio é quem conhece os limites de própria ignorância" comprometendo-se em instruir e não proibir, evidenciando princípios da filosofia grega "Nosce te ipsum", in DELPHOS (Conhece-te a ti próprio), evidenciando Sócrates: "Só sei que nada sei".
A escola de Platão foi a primeira a reunir todas as características de uma verdadeira escola, contudo somente no século XVI é que foi criada a primeira Universidade nos moldes da antiga Academia de Platão.
É neste cenário platônico de tantas aspirações que pressinto a sintonia Academia - Universidade e devo elogiar o Patrono da Cadeira 29:
Ao discorrer sobre Carlos Chagas, eu deveria dizer frases profundas e belas, deveria proferir uma solene conferência, mas confesso que a expressão “proferir uma conferência” me embaraça. Não sou bom conferencista, sou mais dos contos e histórias. Essa qualidade de contador de histórias que, bem ou mal executo, diz a Suzana, trago no sangue, a partir de minha mãe e meu avô.
Nasci em Sabará, no tempo das ruas mal iluminadas; automóveis acionados por manículas; não existia televisão, só rádio e nosso grande divertimento nesses tempos era ouvir histórias, por isso aprendi tal artifício.
Biografia tão extensa como a de Carlos Chagas ocuparia necessariamente todo o conteúdo desta oração; Filho de Justiniano das Chagas e Mariana Cândida Ribeiro de Castro Chagas, nasceu na fazenda bom retiro, no município de Oliveira em nove de julho de 1879; mas, aos cinco anos ficou órfão de pai, a família empobrecida.
Para iniciar seus estudos foi para Itu, SP, com matrícula gratuita, mas retorna algum tempo após, devido ao surto epidêmico nessa cidade; parte para São João Del Rei onde vai estudar humanidades no Colégio São Francisco de Assis, completando-os em Ouro Preto.
Ali, atraído pelo clima de estudos avançados matricula-se na Escola de Minas, para cumprir o desejo de sua mãe, mas impelido por intenso tino de humanitarismo (influenciado pelo tio Carlos), muda-se para o Rio de Janeiro, abandona os estudos de engenharia e matricula-se na Faculdade de Medicina e Farmácia; ali desempenhou bem seu papel de acadêmico encerrando-o como orador da turma, quando concluiu o curso médico em 1903 defendendo a tese “estudos hematológicos no Impaludismo”.
Era o início de sua prática em saúde pública, higiene e doenças tropicais.
Foi discípulo voluntário de Oswaldo Cruz, no Instituto Soroterápico em Manguinhos, em 1902, e assistente em 1906, vindo a tornar-se chefe do serviço em 1910.
Em 1904, foi médico da Diretoria Geral de S. Pública; em 1905 dirigiu a campanha de erradicação da malária em Santos, SP.
Em 1907, Oswaldo Cruz o destinara para chefiar a campanha de erradicação do impaludismo no Vale do Rio das Velhas, em Minas Gerais.
Foi pela sua habilidade e inegável competência, que Oswaldo Cruz o designara para ir à Lassance juntamente com Belizário Penna; então, ei-lo no vale do Rio das Velhas, nesse histórico lugarejo, longe dos centros cultos, da família e do conforto em que se acostumara.
Instalou-se em Lassance, num simples vagão ferroviário, no qual residia e mantinha ambulatório e laboratório. Ali se entregaria de corpo e alma à ciência e pesquisa.
LASSANCE, Remota paragem do agreste, na imensidão dessas Minas Gerais, ainda ignorada, nem chegava a ser um ponto no mapa. Ali Carlos Chagas fora cumprir sua principal missão de sanear, e debelar doenças com o fim de permitir, com o mínimo de perdas humanas, o avanço da Estrada de Ferro que se originava da região central e estava sendo levada em direção ao sertão, até Pirapora com o propósito de alcançar o Rio São Francisco.
Frente a frente lutava contra os males, insistindo com inexcedível zelo na preservação da saúde dos operários por cuja vida se responsabilizara (como médico do trabalho), cumprindo o seu rigoroso programa de luta antipalúdica coroado pelo mais perfeito sucesso.
Ali, naquela desafortunada e distante paragem, não lhe escapara a aprimorada percepção clínica, ao perceber os aspectos multiformes da patologia regional, o quadro mórbido de certos pacientes que não preenchiam os habituais traços centrados em manuais clássicos da medicina.
Então, clarificado pelo seu tino de cientista e investigador, tomou conhecimento da existência de um inseto que vivia nas frestas das casas de “pau a pique” e que sugava o sangue dos indivíduos durante a noite, no rosto e na região da barba, sendo conhecido por “barbeiro”, e até então não considerado como transmissor de doença alguma; era o Triatoma Infestans, hematófago que lhe chamava atenção; prontamente começou a estudá-lo, pois não se contentara em perquirir-lhe apenas os hábitos e a evolução, que se lhe afiguravam curiosos.
Fora mais além e grandes surpresas lhe estavam reservadas, quando examinou ao microscópio o organismo do barbeiro, e em seu intestino, surpreendeu micróbios ativos, reconhecendo-os como flagelados, uma forma de Trypanosoma (Tripanossoma) que também seria encontrado no sangue da criança “BERENICE”, primeira de muitos pacientes acometidos com aquela medonha doença.
De volta ao Rio de Janeiro, descreve em 17 de dezembro de 1908, a presença de trypanosoma no sangue de macacos da região.
Chagas fez uma narrativa perfeita da moléstia, estudou todos os detalhes, desde o agente, o transmissor, a epidemiologia clínica e patologia, não chegou ao tratamento, mas enfocou bastante a profilaxia.
Descreve o quadro clínico por inteiro, estuda a anatomia patológica, a patogenia e dá significado a essa nova moléstia, como grave problema de Saúde Pública no país, indicando a sua profilaxia.
Demonstrou a infecção humana examinando a menor Berenice, (sem manifestações clínicas), mas portadora do Trypanosoma.
Examina outros indivíduos habitantes de cafuas onde existiam “barbeiros”, e, em todos observa a presença do protozoário que descobrira (realizara também algumas necropsias).
Esta descoberta é fato singular na história mundial da medicina, onde um mesmo pesquisador começa identificando o parasita, seu hospedeiro intermediário um inseto (Triatoma infestans, o barbeiro), e anuncia, a seguir, a existência de uma entidade nosológica.
Em 22 de abril de 1909, na Academia Nacional de Medicina, Oswaldo Cruz fez a histórica leitura, do notável trabalho de Carlos Chagas intitulado “nova tripanossomíase humana”.
Em homenagem ao seu Mestre Oswaldo Cruz, designara o agente “Trypanosoma Cruzi”; contudo por sugestão de Miguel Couto, a doença fora cognominada “Doença de Chagas”, embora o próprio Carlos Chagas a denominasse Tripanossomíase Americana como que antevendo sua ocorrência em todo o nosso vasto continente americano.
Em 1910, a Academia Nacional de Medicina, como reconhecimento pleno ao cientista cria uma vaga especial para Carlos Chagas.
Chagas enfrentou com muita coragem a crítica dos negativistas que não admitiam a glória do jovem cientista; glória que não resultou apenas dessa descoberta, mas de seus dotes de sapiente e administrador; pois, de fato, haveria de suceder Oswaldo Cruz para engrandecer a Casa de Manguinhos, celeiro de mestres e que se projetou nos campos científicos mundiais.
Descreveu com perfeição sua descoberta no Bulletin de la Société de Pathologie Éxotique.
Afasta-se Lassance da obscuridade!
Lassance passa a ser mencionada em todos os espaços científicos destacando-se como ponto referencial por onde o gênio começava a conter essa endemia até então inexplicada.
As honrarias e distinções, a lista de prêmios e trabalhos, os importantes cargos ocupados com muito zelo e brilho são apenas lampejos em Carlos Chagas.
Dotado de inteligência ímpar e notável talento, soube argamassar virtudes e empregá-las a serviço da humanidade, distintivo peculiar daqueles que com amor procuram verdades, no intuito de encontrar a apoteose na certeza de sua informação científica.
Foi reverenciado em várias partes do mundo com os melhores prêmios da ciência mundial e em Harward o título máximo: Professor “Honoris Causa”, honrando sobremaneira o Brasil.
Sua reputação de sábio fora consolidada e foram-lhe confiadas missões, importantes tarefas que Carlos Chagas haveria certamente de dar ascensão plena.
Escrevendo este novo capítulo da patologia humana, em 22 de junho de 1912, recebe o prêmio Schaudinn em Hamburgo, e o prêmio Kümmel numa verdadeira consagração universal.
Foi, em 1917, diretor do Instituto de Manguinhos, em 1919, é nomeado DIRETOR GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA; funda a escola de enfermagem Ana Néri, instala hospitais e cria como pioneiro na América do Sul, o Curso de Higiene e Saúde Publica.
Em 1925, assume como primeiro titular, A Cadeira de Medicina Tropical da faculdade onde se diplomou; Em 1932, é eleito o paraninfo dos formandos.
Publicou mais de uma centena de trabalhos, e seu legado científico “faz parte do Patrimônio da Humanidade, é a herança imortal de seu labor e do seu gênio”.
Poderia ter tentado outros objetivos diferentes, sem o sacrifício ou mesmo a lassidão que afrontou se não acossasse o ideal dos grandes cientistas e que o maravilhou, pois dizia por seu coração de médico: “Sou daqueles que votam à profissão do médico o mais extremado amor”.
Carlos Chagas, “primus inter pares”, na realidade um igual entre os iguais, soube enfrentar com humildade o pontual incômodo da época, pois a pequenez do “ser humano” se revela sempre e mostra que a incompreensão costuma escoltar as façanhas daqueles que não seguem a habitualidade de técnicas, metodologia, regras e maneiras constituídas, mesmo na área científica que deveria ter clima isento e
imune aos pressupostos da verdade e ao desvario dos acontecimentos; portanto, Carlos Chagas, nessa época, incompreendido e recriminado por uns e até mesmo desmerecido por outros que não toleravam ter sido ele o descobridor de um novo microorganismo e ao mesmo tempo do agente transmissor e da nova moléstia que elucidaria todos os pormenores deparados nos aspectos clínicos e etiopatogênicos, abrindo-se novos horizontes para higienistas e Sanitaristas.
Faleceu em oito de novembro de 1934, no Rio de Janeiro.
Temos crido que jamais será tarde para o preito que brota de amainada e inapelável decisão num entendimento espontâneo e justo da avaliação de sua vida e sua obra, que felizmente, foi patenteada por historiadores cientistas que exibiram seu mérito e alcance, para a evolução da ciência médica, enfocando a lição de toda uma vida em benefício do Brasil.
Ao honrar a memória de Carlos Chagas estaremos de certo modo rendendo preito de admiração aos cientistas e aos sanitaristas que, com ele, por toda parte se entregam à nobre função apostolar que muito exige de abnegação, renúncia e espírito público.
Chagas pode ser comparado a Pasteur e tantos outros sábios, que se tornaram demasiado grandes para pertencerem apenas às suas respectivas nações: tornou-se por isso patrimônio de toda a hu­manidade.
MINAS é destacada Pátria e mãe desse maior cientista do Brasil.

J.B.DONADON: MEU APRESENTADOR:
A minha alegria completa-se nesta sessão, quando sou recebido pelo nobre amigo Professor J.B. Donadon-Leal. Este momento talvez seja o mais oportuno para reverenciar-lhe todo tributo de confiança, respeito e admiração.
Permita-me Donadon, transformar este cenário aqui vivido, em outro imaginário, em que nos conhecemos e jamais me passaram despercebidas suas manifestações de apreço, lhaneza de trato e respeito.
Sua saudação, na realidade uma bela página antológica, é característica de grandes nomes, que só se recebe de verdadeiros amigos.
Foi benevolente? “Seria a benevolência mais justa que a justiça”?
Este ato para mim, traduz se em ternura, fidalguia e estima. Mas, um homem nunca está sozinho, quero referir-me a Professora Deia, namorada a quem devotou todo o amor possível de um homem para uma mulher, que caminha ao seu lado.
Deia, esposa e musa inspiradora, presente e atuante em momentos de sua vida é exemplo vivo de bom humor que transborda em exuberante alegria: nesse lar mineiro.
Recorda-me aqui a página de Coelho Neto, "Príncipe dos Prosadores Brasileiros", quando assim se manifestou: “Deus nos concedeu os irmãos de sangue através dos laços paternais, porém deu-nos o privilégio de podermos escolher os amigos, que são os irmãos colhidos pelas azinhagas de nossa existência”.
Você Donadon, amigo fiel, probo, pertencente a esta Casa de vultos expressivos e à UFOP, soube desenvolver-se e aprimorar-se alicerçado no idealismo, com solidariedade e muito calor humano.
Trago ainda meus agradecimentos aos amigos de Mariana Gabriel Bicalho, J.S. Ferreira e Dona Hebe Rôla.
Agradeço a Deus por ter me proporcionado a esposa dedicada, carinhosa, perfeita, namorada e amante, amiga e conselheira, companheira de todos os momentos que sempre
compartilhamos juntos. Esta sua alegria espontânea que me encanta, cada vez mais aumenta a minha felicidade. SUZANA, “obrigado por trazer-me tantos momentos felizes”.
Devo concluir: a razão assim o exige: “NUNC AD VERBERATUS COR EST FORTIS” (já é forte o palpitar do coração).
In verba magistri Platão, (conforme a virtual palavra do Mestre Platão), tentei cumprir o protocolo acadêmico regimental: agora sinto a aproximação da hora do arremate porque dentro do peito, o célere palpitar do coração já anuncia que as palavras começam a escassear; é o silêncio que começa a me dominar, mas o desejo de aprender fará com que eu continue a odisséia, como viandante, sapiente, pois “os pés ficam cada vez mais doloridos, todavia a alma... está cada vez mais leve”, pois se não levarmos o júbilo e a beleza conosco, é inútil palmilharmos as sendas da história.

Fontes:
Chagas Filho, C: Meu Pai, Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz, Rio de Janeiro, 1993.
Peixoto, G. Madeira: Saudação ao Prefeito de Oliveira pelo Presidente da Academia Mineira de Medicina, Oliveira MG, 13 de julho de 2009, AMM, Belo Horizonte2009.
ACADEMIA MINEIRA DE MEDICINA: CARLOS CHAGAS, COLETÂNEA DE TEXTOS, VIDA E OBRA, AMM. Belo Horizonte 1999.
Mariana, 1 de dezembro de 2012.

 

Edição em 28 de janeiro de 2019 por J. B. Donadon-Leal