Registrada em 06 de abril de 2009

A ALACIB é uma Associação Literária sem fins econômicos, com sede e foro em Mariana, Minas Gerais, CNPJ 10778442/0001-17. Tem por objetivo a difusão da cultura e o incentivo às Letras e às Artes, de acordo com as normas estabelecidas no seu Regimento. Registrada em 06 de abril de 2009.

Diretoria da Academia de Letras, Artes e Ciências Brasil
Presidente: Andreia Aparecida Silva Donadon Leal
Vice-Presidente: J.S. Ferreira

Secretário-Geral: Gabriel Bicalho
Tesoureiro: J. B. Donadon-Leal
Promotora de Eventos Culturais: Hebe Maria Rôla Santos
Conselho Fiscal e Cultural: José Luiz Foureaux de Souza Júnior, Magna das Graças Campos e Anício Chaves

Acadêmica ANDREIA DONADON LEAL
Cadeira Nº 01
Patrono: Affonso Augusto Moreira Penna


 

Notas Biográficas de Andreia Donadon Leal

Andreia Donadon Leal - escritora ou Deia Leal - artista plástica, nomes artísticos de Andreia Aparecida Silva Donadon Leal, nascida em Itabira - MG, no dia 17/09/1973. Residiu em Santa Bárbara por 22 anos; atualmente mora na cidade de Mariana - Primaz de Minas. É escritora, poestisa, cronista, contista, artista plástica. Formada em Letras pela Universidade Federal de Ouro Preto, Pós-graduada em Artes Visuais: Cultura e Criação, Mestre em Literatura pela Universidade Federal de Viçosa. É criadora da Sociedade Brasileira dos Poetas Aldravianistas, da Academia Brasileira de Letras, Artes e Ciências Brasil, da Academia Brasileira dos Autores Aldravianistas Infantojuvenil e uma das criadoras da ALDRAVIA. Defendeu a tese: Aldravismo: Movimento Mineiro do século XXI. É membro efetivo da ALACIB, da SBPA, da Academia Municipalista de Letras de Minas Gerais, Benemérita da Academia Feminina Mineira de Letras. Diretora de Projetos Culturais da Aldrava Letras e Artes. Membro Correspondente da Academia de Letras e Artes de Portugal, da Academia Portuguesa de Ex-Líbris, da Sociedade Acadêmica de Letras e Artes de Paris, da Academia e Devoção Francesa, da Academia de Letras Rio - Cidade Maravilhosa, da Academia Maceioense de Letras, da União Brasileira dos Escritores - RJ, da Academia Brasileira de Trovas, da Academia Brasileira de Poesia, do Instituto Geográfico de Lisboa, do Instituto Brasileiro de Culturais Internacionais. É Delegada da Academia Portuguesa de Ex-Líbris no Brasil. Recebeu de Sua Alteza Real, o Infante Dom Miguel de Bragança - Duque de Viseu, da Ordem do Grão-Mestre Príncipe Dom Afonso de Portugal, o Grau de Grã-Cruz, pelos relevantes trabalhos literários e culturais.
Colaborou como cronista na Agência Brasileira de Notícias - ABN-NEWS, do Portal Vértices, do Jornal Hoje em Dia e Ponto Final. Colabora atualmente com o Jornal de Itabira, Tempo Ética e com o Portal da Cidade de Mariana.

Discurso de Posse

Patrono: Affonso Augusto Moreira Penna

Affonso Penna: ilustre político-intelectual

No dia 30 de novembro de 1847, na cidade mineira de Santa Bárbara, no imponente casarão denominado em 03/03/2006, de acordo com o Decreto-Lei n° 1356/2006, pelo Prefeito Municipal de Santa Bárbara, Antônio Eduardo Martins, de “Memorial Affonso Penna”, nasceu o sexto Presidente da República Federativa do Brasil, Affonso Augusto Moreira Penna, chamado carinhosamente de Affonso Penna, pelo seu pai, Domingos José Teixeira Penna.
Affonso Penna passou sua infância na cidade Santa Bárbara do Estado de Minas Gerais. As primeiras lições escolares foram ministradas pelos educadores: Maria Quitéria e Raimundo Faria. Aos treze anos foi enviado para o Colégio Caraça, para prosseguir os estudos em educandário dirigido pelos Padres Lazaristas. Em 1864 concluiu o curso de Humanidades, estudando Francês, Inglês, Geografia, História, Matemática, Retórica e Filosofia.
Partiu para São Paulo no ano de 1866, com o objetivo de cursar a Faculdade de Direito. Frequentou o Ensino Superior com colegas que tiveram trajetória significativa e vida pulsante na Política, no Jornalismo e na Literatura Brasileira, como: Rui Barbosa, Joaquim Nabuco, Castro Alves e Rodrigues Alves, antecessor de Affonso Penna na Presidência da República. No ano de 1870, Affonso Penna recebeu o Diploma de Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais, e em 1871 retornou à Faculdade para concluir o Doutorado em Direito Comercial. Retornou para Santa Bárbara para se dedicar às atividades de advocacia, conquistando vasta clientela, devido ao grande conhecimento na área do Direito e prestígio na região.
Affonso Penna casou-se com a filha do Visconde de Carandaí, Maria Guilhermina de Oliveira Penna, em janeiro de 1875, passando a residir inicialmente na cidade mineira de Barbacena. Affonso Penna e Maria Guilhermina tiveram doze filhos.
Em dezembro de 1892, Affonso Penna fundou a Faculdade Livre de Direito do Estado de Minas Gerais e foi primeiro
Diretor. A faculdade foi instalada inicialmente em Ouro Preto, capital do Estado de Minas Gerais.
Com a transferência da capital para Belo Horizonte, a Faculdade de Direito foi anexada à Universidade Federal de Minas Gerais–UFMG, nomeada de a “Casa de Affonso Penna”. No período em que governou o Estado, Affonso Penna conseguiu com competência e maestria acumular a função de Diretor com o Cargo de Professor Catedrático de Ciências das Finanças na Faculdade de Ouro Preto.
Além do grande prestígio como advogado, o santabarbarense Affonso Penna tinha forte inclinação para a política. Foi eleito como Deputado Provincial pelo Partido Liberal, de 1874 a 1875, inaugurando sua profícua trajetória na vida pública. Em 1876, com apenas 27 anos de idade, foi reeleito para o biênio: 1876-1877; posteriormente para os biênios de 1878 a 1879 e 1880 a 1881, como Deputado Provincial de Minas Gerais.
Com excelente reputação Política e Intelectual foi chamado para ser Conselheiro do Império, onde atuou no Ministério da Guerra em 1882; no Ministério da Agricultura em 1883; e no Ministério da Justiça em 1885, instituindo a lei do Sexagenário, que concedia liberdade a todos os escravos com mais de 60 anos.
No ano de 1888, Affonso Penna, Rui Barbosa e outros ilustres advogados da época foram convocados para se juntarem à comissão responsável pela elaboração do novo Código Civil Brasileiro, que esteve em vigor até 1916. Após a Proclamação da República, em 15 de novembro de 1889, Affonso Penna, opositor ferrenho às propostas do regime de Marechal Deodoro da Fonseca, retirou-se da vida política retornando para Santa Bárbara com intuito de advogar.
Após um ano afastado da vida pública, o ilustre político-intelectual foi eleito Senador Constituinte de Minas Gerais, no cargo de Presidente da Comissão, com atribuição de redigir a Constituinte nos moldes republicano e federalista.
Em 1891, Marechal Deodoro da Fonseca decretou o fechamento do Congresso Nacional, devido à aprovação da Lei de Responsabilidade do Presidente da República e à greve da Central do Brasil. Nesse período, Affonso Penna afasta-se da vida pública, retornando a Santa Bárbara para exercer as funções de advogado.
Em maio de 1892, Affonso Penna foi eleito Governador, com 48 mil votos, sendo o primeiro Presidente do Estado de Minas Gerais a ser eleito diretamente pelo povo. Concluiu seu mandato no dia 7 de setembro de 1894. Augusto Tavares de Lyra, um de seus secretários, sintetizou o governo de Affonso Penna:
reorganizou os serviços públicos já existentes e criou outros no regime de autonomia que a Federação assegurava aos Estados. Benéfica, proveitosa e duradoura a obra que realizou, especialmente no tocante a finanças, viação e ensino. (DONADON-LEAL, 2006)
Em 1899 foi eleito Senador do Estado, sendo nomeado Presidente do Conselho Deliberativo de Belo Horizonte. Com o falecimento do Vice-Presidente da República, Francisco Silviano de Almeida Brandão, o Presidente Rodrigues Alves, colega de Faculdade de Affonso Penna, determinou que fossem realizadas novas eleições para o cargo. Em fevereiro de 1903, o Senado Federal se reuniu para indicar o estadista Affonso Penna, para Vice-Presidente da República. O cargo de vice deu visibilidade, prestígio, além de projetar o nome do santabarbarense Affonso Penna, como notável político de sua época.
Após anos dedicados às causas políticas, no dia 15 de novembro de 1906, em sessão solene do Congresso Nacional, Affonso Augusto Moreira Penna tomou posse como sexto Presidente eleito da República Federativa do Brasil. O político mineiro fez obras de suma importância para o crescimento do Brasil, com apenas dois anos e sete meses de mandato. O político-intelectual alcunhado de “Presidente Tico-Tico” foi o primeiro mineiro a assumir a Suprema Magistratura da Nação, esta era a forma pela qual o Presidente denominava a presidência da República, de acordo com relato de seu bisneto, o Engenheiro Affonso Augusto Moreira Penna.
Segundo o Bisneto do Presidente Affonso Penna, seu homônimo, o governo de seu bisavô incentivou a imigração polonesa
no Paraná. Os imigrantes poloneses reivindicaram ao governo brasileiro, que a Colônia fosse nomeada de Affonso Penna. O aeródromo de Curitiba, instalado na região da antiga Colônia Affonso Penna recebeu o nome de Aeroporto Affonso Penna.
Em relação à imigração, Affonso Penna, advogava que, “a maioria dos imigrantes portugueses se dedica principalmente à mineração, à criação de gado e ao comércio. Precisamos desenvolver a interiorização do país e a agricultura de grãos”. Seu governo autorizou, ainda, a imigração de 781 japoneses para o Brasil, no ano de 1908, no navio Kasato Maru em porto dos Santos. Os japoneses trabalharam em fazendas de café em São Paulo, em Porto Esperança, nos assentamentos das linhas férreas em direção à região Oeste do Brasil.
Importante citar trecho que ilustra a preocupação de Affonso Penna com a Educação Brasileira em mensagem apresentada ao Congresso Nacional na abertura da Segunda Sessão da Sexta Legislatura em 1907:
Senhores Membros do Congresso Nacional
Congratulo-me convosco pela vossa reunião, que desperta sempre legitimo jubilo e lisonjeiras esperanças na República. As grandes discussões nos parlamentos e as deliberações destes refletem o estado de espírito do povo e têm o inestimável efeito de trazer esclarecimentos preciosos a quem cabe a árdua tarefa de governo. (...)
Reina a mais absoluta tranquilidade em toda a República, que, fora de agitações que poderiam perturbar seu progressivo desenvolvimento, procura – dentro da ordem e à sombra das leis – encaminhar com segurança a solução dos problemas que entendem com o seu engrandecimento moral e material. Dentre esses problemas, um dos mais importantes é, sem dúvida, o da instrução pública, que nos últimos anos, forçoso é dizê-lo, tem vivido num regime de vacilações e incertezas, cujas deploráveis consequências avultam e se acentuam cada dia. Normalizar esses ramos do serviço público é uma necessidade que se impõe; e eu espero e confio que para isto não poupareis esforços, discutindo e votando uma reforma séria e capaz de satisfazer as exigências do ensino moderno. Devemos cuidar com especial atenção do ensino profissional e técnico, tão necessário ao progresso da lavoura, do comércio, indústrias e artes. (In: http://www.biblioteca.presidencia.gov.br/ex-presidentes/affonso-penna/mensagens-presidenciais-1/affonso-penna-mensagem-ao-congresso-nacional-1907/view)
A atividade febril e incansável no exercício da Presidência da República e sua baixa estatura física, de acordo com relato do bisneto de Affonso Penna, registradas pelos cronistas e caricaturistas daquela época, lhe valeram a alcunha de “Presidente Tico-Tico”.
Affonso Penna faleceu no dia 14 de junho de 1909, aos 61 anos de idade, no Palácio do Catete, Rio de Janeiro, vítima de pneumonia. As últimas palavras proferidas pelo Presidente, segundo o médico Doutor Miguel Couto, foram: “Deus, Pátria, Liberdade e Família”.
O sumário abaixo sobre datas relativas a fatos e feitos, foi atualizado em 12/04/2013, pelo bisneto do Presidente, o Engenheiro Affonso Augusto Moreira Penna, que tem a nobre missão de resgatar e manter viva a memória do seu bisavô:
· Em 16/01/1864 terminou seu curso no Colégio do Caraça. Seu certificado diz: “... nos exames de todas as matérias foi aprovado - plenamente com louvor - e dado por pronto por todos examinadores. Teve um procedimento exemplar, pelo qual mereceu a estima de seus mestres”.
· Em 23/10/1870 colou grau na Faculdade de Direito de São Paulo - hoje da USP.
· Em 1874 elegeu-se deputado provincial pelo Partido Liberal.
· Em 1878 elegeu-se deputado geral, cargo ocupado até a proclamação da República.
· Em 21/01/1882 foi nomeado para ocupar a pasta da Guerra no Gabinete Martinho Campos. No tempo do Império apenas 2 civis exerceram o Ministério da Guerra: Pandiá Calógeras e Affonso Penna.
· Em 24/05/1883 foi designado para exercer o Ministério da Agricultura, Comércio e Obras Públicas no Gabinete Lafayette.
· Em 06/05/1885 foi convocado para ocupar a pasta de Ministro do Interior e da Justiça no Gabinete Saraiva. Em 28/09/1885 foi signatário da "Lei dos Sexagenários" que concedia liberdade aos escravos maiores de 60 anos.
· Em 1888 integrou a comissão de organização do Código Civil brasileiro.
· Em 1891 foi Senador estadual à Constituinte do Estado de MG.
· Em 15/06/1892, na sessão solene da promulgação da Constituinte Mineira, foi votada e aprovada "uma moção de louvor e reconhecimento ao congressista Affonso Penna, pelo infatigável zelo, civismo e proficiência com que se desempenhou na árdua tarefa, cooperando tanto e ilustrando os debates, para o bom êxito da missão gloriosa incumbida ao primeiro Congresso Constituinte do estado de Minas Gerais”. Em 14/07/1892 foi empossado como Presidente do Estado de Minas Gerais. Governou até 07/09/1894.
· Em 04/12/1892, juntamente com outros, fundou a Faculdade Livre de Ciências Jurídicas e Sociais, em Ouro Preto, da qual foi o primeiro Diretor. Foi professor catedrático de Economia Política e Ciência das Finanças. Mesmo como Presidente do Estado de Minas Gerais, Affonso Penna dava aulas na faculdade.
· Em 13/12/1893 o Congresso mineiro, reunido em Barbacena, aprovou a Lei, proposta por Affonso Penna, fundando a cidade de Belo Horizonte (antiga Curral Del Rey), designada como capital no lugar de Vila Rica (atual Ouro Preto).
· Em 29/03/1895 recebeu convite do Ministro das Relações Exteriores – Dr. Carlos de Carvalho – do Governo Prudente de Morais, para exercer o cargo de Enviado Extraordinário e Ministro Plenipotenciário em Montevidéu. Declinou do convite conforme carta de 03/04/1895, enviada de Santa Bárbara / MG.
· De 1895 a 1898 foi Presidente do Banco da República. De 1898 a 1900 foi Senador estadual em Minas Gerais.
· De 1900 a 1902 foi Presidente do Conselho Deliberativo de Belo Horizonte, cargo equivalente ao de Prefeito.
· Em 18/02/1903 foi eleito Vice-Presidente da República, tendo assumido o cargo em 19/06/1903.
· Em março de 1906, por eleição direta, foi escolhido como Presidente da República.
· De 12/05/1906 a 24/08/1906 - fez longa viagem, a diversos estados e cidades brasileiras, após sua eleição e antes de ser empossado na Presidência da República.
· Em 27/06/1906 presidiu a cerimônia de lançamento da pedra fundamental da Alfândega de Manaus.
· Em 15/11/1906 foi empossado na suprema magistratura da Nação, em sessão solene do Congresso Nacional - Rio de Janeiro - antiga capital federal, presidida pelo ilustre baiano Rui Barbosa.
· Em 05/01/1907 sancionou o Decreto 1637 que, inspirado na legislação francesa, dizia: “Os sindicatos profissionais se constituem livremente, sem autorização do governo, bastando (...) depositar no cartório os documentos necessários.” O referido Decreto dispôs sobre a criação dos sindicatos profissionais e das cooperativas.
· Em 1907 o governo Affonso Penna designou o Marechal Rondon para chefiar a Comissão Construtora de Linhas Telegráficas de Mato Grosso ao Amazonas.
· Em 1908 o governo Affonso Penna, juntamente com os governos da Bélgica, Espanha, Estados Unidos da América do Norte, França, Inglaterra, Irlanda, Itália, Países Baixos, Portugal, Rússia, Suíça e Egito, promovem o estabelecimento de uma repartição internacional de higiene pública.
· Em 05/01/1908 o Presidente Affonso Penna e seu Ministro da Guerra Marechal Hermes da Fonseca estiveram na cerimônia de lançamento da pedra fundamental do Forte Copacabana, num local chamado de Promontório da Igrejinha / Rio de Janeiro.
· Em 16/02/1908, acompanhado pelo Engº Conde Paulo de Frontin - inspetor da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil - inaugurou a 20ª seção daquela ferrovia, compreendendo as estações de Monjolo (hoje Cafelândia), de Hector Legrú (hoje Promissão), chegando até Miguel Calmon (hoje Avanhandava).
· Em 03/04/1909, na sessão inaugural do Supremo Tribunal Federal, em seu novo endereço – Avenida Rio Branco (antiga Avenida Central) nº 241 / Rio de Janeiro), o Presidente da Corte descreveu o itinerário histórico do Tribunal, desde a antiga Relação do Rio de Janeiro (elevada à condição de Casa da Suplicação do Brasil em 10/05/1808), pondo em destaque, ainda, na viabilização da instalação do Supremo no novo prédio, o valioso concurso do então Presidente da República, “Exmo. Sr. Conselheiro Affonso Penna, efficazmente auxiliado pelo illustre Sr. Dr. Augusto Tavares de Lyra, Ministro da Justiça (...)”.
· Em 05/04/1909 inaugurou, juntamente com seu Ministro de Viação e Obras Públicas - Miguel Calmon du Pin e Almeida - trecho ferroviário da linha Itararé-Uruguai da Rede de Viação Paraná - Santa Catarina. O trecho tinha 103 km e ligava as localidades de União da Vitória e Taquaral
· Liso. Era a primeira vez que um Presidente da República visitava o vale do Rio do Peixe. Na mesma ocasião inaugurou a estação de Taquaral Liso (hoje Caçador / SC). Após sua morte, esta estação passou a chamar-se “Presidente Penna”.
· Em 16/04/1909 inaugurou a usina de energia elétrica "Alberto Torres" - Areal / RJ.
· Em 14/06/1909 faleceu no Palácio do Catete (atual Museu da República) - Rio de Janeiro.
· Em 03/03/2006, o Prefeito Municipal de Santa Bárbara / MG sancionou o Decreto-Lei nº 1356/2006 criando o "Memorial Affonso Penna" no imóvel onde o Conselheiro nasceu e morou.
· Em 15/11/2006, a Câmara Municipal de Santa Bárbara concedeu o título “post-mortem” de Cidadão Benemérito ao Presidente Affonso Penna.
· Em 04/07/2008 o Prefeito Municipal de Santa Bárbara / MG sancionou lei instituindo o dia 14 de junho (data do falecimento) como o DIA DE AFFONSO PENNA. O projeto de lei é de autoria do Vereador Frederico Magalhães Ferreira, aprovado pela unanimidade dos vereadores.
· Em 12/08/2008 o Presidente Affonso Penna foi homenageado em sessão solene, pelo CAAP - Centro Acadêmico Affonso Penna / Faculdade de Direito da UFMG, por ocasião das comemorações do centenário da fundação do CAAP.
· Em 15/08/2008 o Presidente Affonso Penna recebeu, in memoriam, a comenda Kasato Maru, em solenidade promovida pela Associação para as Comemorações do Centenário da Imigração Japonesa no Brasil, pelos relevantes serviços prestados ao fortalecimento da relação bilateral Brasil-Japão, à edificação da comunidade nipo-brasileira e ao desenvolvimento do Brasil.
· Em 09/06/2009 (ano do centenário do falecimento) a Câmara Municipal de Belo Horizonte homenageou o Presidente Affonso Penna batizando, com seu nome, o Grande Colar do Mérito – 2009 atribuído aos agraciados em sessão solene.
· Em 13/06/2009 a Prefeitura de Santa Bárbara inaugurou o Memorial Affonso Penna, na casa em que ele nasceu e morou.
Conforme aforismo de Rui Barbosa, se o serviço público tem os seus mártires, Affonso Penna foi o mais singular exemplo deles. Para referenciar o protagonista da História Política e Intelectual da Nação, a Academia de Letras, Artes e Ciências Brasil (ALACIB), no dia 30 de maio de 2009, na cidade de Mariana, conhecida como a Matriz de Minas Gerais, homenageou em grande estilo o ilustre político-intelectual como patrono da Cadeira de número 01, ocupada por mim, Presidente Fundadora da ALACIB, Andreia Aparecida Silva Donadon Leal, criada também na cidade de Santa Bárbara – Minas Gerais.
Referências
Biblioteca da Presidência da República: http://www.biblioteca.presidencia.gov.br/ex-presidentes/ernesto-geisel/discurso-de-posse - Acesso em 05/08/2013.
http://www.biblioteca.presidencia.gov.br/ex-presidentes/affonso-penna. Acesso em 05/08/2013.
http://www.biblioteca.presidencia.gov.br/ex-presidentes/affonso-penna/mensagens-presidenciais-1/affonso-penna-mensagem-ao-congresso-nacional-1907/view. Acesso em 15/08/2013.
DONADON-LEAL, José Benedito. Affonso Penna – o santa-barbarense Presidente da República. Mariana: Aldrava Letras e Artes, 2006, 1ª edição.


==================================

ENTREVISTA AO PORTAL CIDADE DE MARIANA
1- Como você começou a escrever? Eu já escrevia poesias curtas desde os primeiros anos de escola. Meus pais tinham o costume de ler poesias e contar estórias longas para mim e para meus irmãos todos os finais de semana. Já era um bom caminho para começar a escrever. Imagine uma menina que sonhava com as estórias e saia falando sozinha com os personagens dos livros ou recitando poesias, para as colegas de sala de aula, para as professoras e familiares? Um pulo para se tornar escritora! Antes de ser alfabetizada, minha irmã mais velha, transcreveu minhas poesias curtas e estórias para um caderno. Com o passar do tempo, passei a ler compulsivamente contos, e aprendi a técnica deles com diversos autores como Rubem Fonseca, Mário de Andrade, Graciliano Ramos,Carlos Drummond de Andrade, entre outros.
2- A poesia foi amor a primeira vista. Os poemas com rima me encantavam. Li todas as poesias de Drummond, meu conterrâneo; também li haicais, poema de origem japonesa com 17 versos. Li versos brancos, livres, sonetos, cordel, trovas... Escrevi um pouco de tudo que li. E em 2010, eu, Gabriel Bicalho, J.S.Ferreira e J.B. Donadon-Leal, criamos a primeira forma de poesia brasileira: a aldravia. Poesia minimalista composta de seis versos univocabulares. (um exemplo:
papagaio
pipa
pandorga
crianças
empinando
sonhos
3- De que forma o cenário político e econômico influencia na sua escrita?
4- ADL: Para se escrever não se apega a nenhuma questão técnica, nem política, nem econômica, mas o que afeta o sentimento das pessoas.
5- 3- Quais prêmios você já ganhou? Quais foram os mais importantes para você e por quê?

6- Membro da Academia Feminina Mineira de Letras, Membro da Academia Municipalista de Letras de Minas Gerai. (Troféu RIO 2016 (Personalidade Intelectual e Personalidade Cultural – UBE-RJ); Assembleia Legislativa de Minas Gerais – Comissão de Cultura; Homenageada na V Bienal do Livro de Minas Gerais, pela Câmara Mineira do Livro); Medalha da Inconfidência Mineira (Bronze); Medalha da Inconfidência Mineira (Prata); Medalha do Dia de Minas; Prêmio Adalgisa Nery e Prêmio Olavo Bilac pela criação da aldravia – UBE-RJ; Medalha Antonio Olinto pela qualidade literária – UBE-RJ; Comenda Jornal Ponto Final. Troféu TOP CULTURA. Medalha da Academia Francesa Devoção (ouro- Paris); Medalha da Academia Ex-Libris (Portugal). 1º lugar no Concurso Nacional de Poesia de Cataratas, 1º lugar no Concurso Nacional da Academia de Letras de São João da Boa Vista (SP); 1º lugar no Concurso Nacional de Contos – Festival Nacional de Literatura de Paranavaí, Vencedora do Concurso Literário Nacional Cidade de Manaus. Moção de Aplauso da Assembleia Legislativa de Minas pelo livro de poesia: Essências, sonhos e luzes. Prêmio Itaú-UNICEF. 1° lugar no Concurso Internacional de Arte da Asociación Cultural Valentin Ruiz Aznar (Espanha); Medalha de Bronze da Academia de Artes, Ciências e Letras de Paris (fundada em 1915); Comenda Cultural Padre Dias Avelar, Cidadã Honorária Especial de Mariana. Medalha Affonso Penna (Santa Bárbara), Placa de Mérito Cultural (São Gonçalo do Rio Abaixo. Comenda da Paz Chico Xavier e Teófilo Otoni do Governo do Estado de Minas Gerais; Medalha Israel Pinheiro do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais; Comenda Salvador Ferrari (ALEPON). 1º lugar no Concurso Internacional da Asociacion Ruiz Aznar. Possui obras nos acervos: Museu de Arte Contemporânea Internacional do México; Galeria da Academia de Letras e Artes de Portugal; Asociación Internacional Ruiz Aznar (Espanha), Pinacoteca da Universidade Federal de Viçosa (Brasil), e no Superior Tribunal de Justiça (Escola Nacional de Magistrados - DF). Troféu VivaLeitura -2009 - Melhor projeto de incentivo à leitura do País.
Fica difícil falar qual foi a mais importante. Todas têm sua particularidade. Mas o mais emblemático em minha carreira foi o Prêmio VivaLeitura do Ministério da Educação e da Cultura, pois é a premiação que tocava uma vertente, que sempre foi uma das minhas paixões: a leitura.
4- Você tem livros publicados? Quais? Fala um pouco sobre eles? Tenho 15 livros publicados
01-Pés no chão (crônicas)
02-Brevidades (crônicas)
03-Flora (contos)
"Li vários contos do livro de Andreia Donadon Leal e gostei muito. Flora, amor e demência e Outros Contos revela-nos uma contista talentosa, que sabe narrar uma história com emoção e com sensibilidade. Os leitores farão bem em acompanhar sua promissora trajetória literária (Moacyr Scliar)
04- Os Quatro Meninos (estória infantojuvenil)
Cada personagem tem sua caracterização bem definida pela autora, Andreia Donadon Leal, que elaborou o texto com a sensibilidade e perspicácia de quem sabe dominar não apenas as palavras mas a trama de uma história bem humorada, mantendo o suspense e as surpresas finais das boas narrativas em um enredo enxuto, que nos conduz a uma aventura sem apelações imagéticas e de um convencimento pleno, visto que a realidade fantástica vivenciada pelos quatro meninos, personagens desta estória, é de fato plausível a qualquer criança ou leitor adulto, em que serão atraídos a uma leitura ininterrupta, ficando os melhores detalhes disponíveis nas páginas deste interessantíssimo livro: Os quatro meninos (Gabriel Bicalho - Presidente da Editora Aldrava Letras e Artes)
05- As quatro meninas (estória infantojuvenil)
06- Essências, sonhos e frutos e luzes (poesia) Se não fosse poeta, Andreia Donadon Leal seria diretora de videoclips. Seus textos não passam de roteiros visuais para uma abordagem caleidoscópica do mundo. Desde a primeira linha não esconde de ninguém sua admiração pelo espírito da poesia japonesa. E esse traço parece dominar toda a obra de cabo a rabo, mesmo que os poemas fujam do padrão do haicai definido por Bashô. Para o mestre Japonês, um haicai para ser perfeito teria 17 sílabas divididas em três versos de 5,7,5 sílabas, com alguma referência à Natureza, e com ação se passando no tempo presente. A autora não respeita nenhuma das regras de Bashô, mas é só olhar direito que a gente encontra o espírito do haicai dissolvido em seus poemas, mesmo nos mais longos. Recheados de imagens visuais, é uma poeta que privilegia menos a mão que escreve palavra e muito mais o olho que vê. É uma poeta da observação. A poeta Andreia Donadon Leal passeia com desenvoltura pelo caminho de suas imagens. Será então que escreve poemas em poesia, ou sua poesia é dura e seca? Pena assim quem não percebe a graça escondida no interstício das palavras. (Paulo José Cunha - Professor de Jornalismo da UnB
07- Cirandando (aldravias infantis)
08- Depois da minha morte (Romance)
09- Lagripoemas (poemas)
10- Crônicas e Contos de Escritoras Marianenses (Crônicas e Contos)
11-Cenário Noturno (Poesia)
12- Casa de Baixo, Casa de Cima (Infantil)
13- Megalúunens (aldravias)
14- Aldravismo : primeiro movimento do século XXI (mestrado)
15- Os Quatro meninos 2 (estória infantojuvenil)
5- Como é a sua atuação no Jornal Aldrava?Minha atuação inicial foi a de Promotora de eventos culturais. Hoje faço parte do Membro do Conselho Editorial e da Diretoria de Projetos Culturais.
7- Tem projetos sendo desenvolvidos voltados para a comunidade marianense? Se sim, quais são?
8- Sim, o Projeto Poesia Viva - a poesia bate à sua porta (destaque no Fantástico em 2013 e vencedor do Prêmio VivaLeitura do Mec-Minc). Batemos de porta em porta, nas escolas, nas secretarias, em presídio, para distribuir gratuitamente livros de nossa autoria. Já conseguimos distribuir 32.000 livros.
9- Também adaptamos um local que se chama 'A CASA DA ARTE ALDRAVISTA', para visitação de alunos, professore, escritores e jornalistas, para conhecerem nosso acervo literário e artístico; além das oficinas de aldravias que ministramos com alunos de escolas públicas e particulares.
NAS ARTES PLÁSTICAS
Página da Artista:
https://jornalaldrava.com.br/pag_deia_leal.htm
https://jornalaldrava.com.br/pag_expo_aldravinturas_stj.htm

Documento sem título
STJ sedia exposição de obras feitas com peças de roupa de mortos
http://g1.globo.com/distrito-federal/noticia/2015/09/stj-sedia-exposicao-de-obras-feitas-com-pecas-de-roupa-de-mortos.html

Mostra da artista mineira Deia Leal fica na Corte até 14 de outubro. Entrada é franca e horário de funcionamento...
Vem Comigo- Exposição Aldravinturas
https://www.youtube.com/watch?v=r6xev-Ga57Y

Participou de exposições coletivas internacionais representando o estado de Minas Gerais na: Espanha, Itália, Áustria, Polônia, Alemanha, República Dominicana, Argentina, México, República Tcheca, China, Tailândia, Hungria, Eslováquia, Portugal, Chile (Museu Pablo Neruda), França (Museu do Louvre). Belo Horizonte (Assembleia Legislativa de Minas Gerais)
Premiações
1. 3º Prêmio do Concurso Internacional de Artes Plásticas Antonio Gualda, na categoria “telas pequenas”, dezembro de 2006, em Granada, Espanha, com as obras “Outono” (40X30 – acrílico e óleo sobre tela, 2006) e “Outono em chamas” (40X30 – acrílico e óleo sobre tela, 2006) Essas telas encontram-se no acervo da Associação Cultural Valentin Ruiz Aznar, – Granada, Espanha.
2. Selecionada para representar Mariana e Minas Gerais no XII Circuito Internacional de Arte Brasileira na Áustria, China e Tailândia, nos meses de maio e junho de 2007.
3. Medalha de Mérito Cultural, da crítica internacional, pela participação no XII Circuito Internacional de Arte Brasileira. MASP, 21/07/2007.
4. Diploma e Medalha de Mérito Acadêmico "Francisco Silva Nobre", concedida pela Confederação das Academias de Letras e Artes do Brasil. Rio de Janeiro, 03 de setembro de 2007.
]5. Certificado e Medalha de Honra ao Mérito, concedida pelo Instituto Brasileiro de Culturas Internacionais - InBrasCI. Rio de Janeiro, 03 de setembro de 2007.
6. Certificado de Título de Fundadora da 1ª Representação Distrital do InBrasCI em Minas Gerais. Rio de Janeiro, 03 de setembro de 2007.
7. Placa de reconhecimento da Câmara Municipal de Santa Bárbara pela arte metonímica apresentada na casa do poeta Carlos Drummond de Andrade - Fazenda do Pontal – 2008
8. Prêmio Internacional de las Artes "Memorial LUCÍA MARTÍNEZ 2004 - 2008" – Asociación Cultural Valentin Ruiz Aznar - Espanha - Outubro / 2008.
9. Medalha de Bronze no Salão de Artes Plásticas da LIGA DE DEFESA NACIONAL no ESPAÇO CULTURAL da JUSTIÇA DO TRABALHO no TRT - 1ª Região. TEMA “O BRASIL QUE QUEREMOS TER“ - Rio de Janeiro, 12 de novembro de 2008.
10. Conquistou o 1º Prêmio Absoluto do Concurso Internacional de Artes Plásticas Antonio Gualda, dezembro de 2008, em Granada, Espanha, com a obra “Revolta da Mata” (100X80 – acrílico sobre eucatex, 2007). Essa tela encontra-se no acervo da Associação Cultural Valentin Ruiz Aznar, – Granada, Espanha.
11. Medalha de Bronze da Academia de Artes, Ciências e Letras da França, fundada em 1915, em Paris, pelos relevantes serviços prestados às letras e às artes.
12. Medalha de Ouro da Academia de Mérito e Devoção Francesa – sob a égide da República Francesa, no Círculo Republicano de Paris, em março de 2012.
Exposições e Mostras:
Individuais Espaço Cultural do Superior Tribunal de Justiça – DF – Brasília, coma exposição “Aldravinturas: muita cor, nenhum limite”. (04 de setembro a 14 de outubro de 2015)
Exposição de arte aldravista. Galeria Guimarães Rosa - Câmara Municipal de Belo Horizonte. de 22 de junho a 02 de julho de 2010.
emaranhaminas - Exposição de Arte Aldravista. Galeria de Arte SESI - Mariana. Mariana, MG. maio de 2010.
Portais de Minas- Exposição de Arte Aldravista. Galeria Renato de Almeida - Centro Cultural Pró-Música. Juiz de Fora. Setembro de 2009.
emaranhaminas - Exposição de Arte Aldravista. Memorial Affonso Penna. Santa Bárbara, MG. Agosto de 2009.
Portais de Minas- Exposição de Arte Aldravista. Fundação Carlos Drummond de Andrade - Fazenda do Pontal, Itabira, MG, de 16 a 30 de julho de 2008 - Festival de Inverno de Itabira. Apoio e curadoria: Aldrava Letras e Artes.
emaranhaminas - Exposição de Arte Aldravista. Pinacoteca da UFV - Universidade Federal de Viçosa. de 02 a 29 de abril de 2008. Vila giannetti, casa 3. Apoio e curadoria: Aldrava Letras e Artes.
Exposição de Arte Aldravista - Mostra Portais de Minas. III Semana da Cultura de Santa Bárbara. Local: Arquivo Público Municipal de Santa Bárbara. De 16 a 22 de agosto de 2007. Promoção: Secretaria de Cultura do Município de Santa Bárbara com curadoria da Associação Aldrava Letras e Artes.
Exposição de Arte Aldravista, de 25 de novembro a 08 de dezembro de 2006, no Museu Casa Alphonsus de Guimarães, Rua Direita, 37, Mariana, MG.
Coletivas
Cores na Rodoviária. Prefeitura Municipal de Belo Horizonte e SIAPEMG. de 12 de novembro a 05 de dezembro de 2010.
Mostra Brasileira de Arte. Museu do Louvre - Paris, França. Dezembro de 2009.
XIV Circuito Internacional de Arte Brasileira -. COLEGEARTE. Museu Pablo Neruda. Santiago, Chile. Dezembro de 2009.
Exposição 25 anos do sindicato dos Artistas Plásticos Profissionais de Minas Gerais. Galeria ABCDEF. Dezembro de 2009.
Exposição Ano da França no Brasil. Associação Mineira de Imprensa. Belo Horizonte, MG. Outubro de 2009.
V Salão de Artes Plásticas de Suzano. Suzano, SP. agosto de 2009
- Exposição Coletiva LUGARES E FORMAS no "Atrium Cultural Central Plaza Shopping" - São Paulo - Curadoria: Academia Brasileira de Artes, Cultura e História - Período: 17 de abril a 04 de Maio de 2009.
- Selecionada para o V Salão Nacional de Artes Plásticas de Suzano - São Paulo- 2009. 07 de maio a 06 de junho de 2009 no Centro de Educação e Cultura "Francisco Carlos Moriconi".
- Exposição Coletiva - Hungria - At. Kossuth Klub - Budapeste - 04 a 10 de maio de 2009. Curadoria: Colege Arte. (Participação como Convidada no XIV Circuito Internacional de Arte Brasileira)
- Exposição Coletiva - Áustria - At Vorarlberg - Hard- 12 a 24 de maio de 2009. Curadoria: Colege Arte. (Participação como Convidada no XIV Circuito Internacional de Arte Brasileira)
- Exposição Coletiva - Eslováquia - At Zicyho Palác - 26 de junho a 6 de julho de 2009. Curadoria: Colege Arte (Participação como Convidada no XIV Circuito Internacional de Arte Brasileira)
- Exposição Coletiva - Cesumar - Centro Universitário de Maringá - Paraná - 20 a 26 de junho de 2009. Curadoria: Colege Arte. (Participação como Convidada no XIV Circuito Internacional de Arte Brasileira)
1° Salão de Artes Plásticas da LIGA DE DEFESA NACIONAL: “O BRASIL QUE QUEREMOS TER" ESPAÇO CULTURAL da JUSTIÇA DO TRABALHO no TRT - 1ª Região. Rio de Janeiro - 12 a 21 de novembro de 2008.
Exposição Homenagem ao Mês da Proclamação da República no Espaço Cultural Clóvis Graciano em São Paulo - Academia Brasileira de Arte, Cultura e História, com sede no Pólo Cultural Casa da Fazenda do Morumbi em São Paulo. 12 a 30 de novembro de 2008
2ª etapa do XIII Circuito Internacional de Arte Brasileira na República Dominicana e no Museu de Arte de Londrina em novembro e dezembro de 2008.
1ª Exposição de Artes Visuais – Cultura & Criação – Loja Templuz – SENAC – Belo Horizonte – julho e agosto/2008.
Palais Schlick (Europasaad) Viena - Áustria. de 19 a 25 de abril de 2008. In: XIII Circuito Internacional de Arte Brasileira. Realização: COLEGEARTE. Apoio: Ministério das relações Exteriores, Secretaria Estadual e Municipal de Cultura, Aldrava Letras e Artes.
Hugendukel Bücher, Frankfurt- Alemanha. de 10 a 16 de abril de 2008. In: XIII Circuito Internacional de Arte Brasileira. Realização: COLEGEARTE. Apoio: Ministério das relações Exteriores, Secretaria Estadual e Municipal de Cultura, Aldrava Letras e Artes.
Galeria Elektor, Varsóvia- Polônia. de 01 a 06 de abril de 2008. In: XIII Circuito Internacional de Arte Brasileira. Realização: COLEGEARTE. Apoio: Ministério das relações Exteriores, Secretaria Estadual e Municipal de Cultura, Aldrava Letras e Artes.
Exposición Internacional Arte dos 5 Continentes - Asociación Cultural Valentín Ruiz Aznar - de 06 a 30 de novembro de 2007. Casa da Cultura Maracena - Granada - Espanha.
Exposición Conjunta de Arte Internacional Mirador de La Vega et dans l'Entrée de l'ACVRA - Asociación Cultural Valentín Ruiz Aznar - de 2 a 8 de julho de 2007. Granada, Espanha. Tela: O irreversível - acrílica com rasgos e costura.
Exposición de Arte Internacional Nocturnal Dreams - Asociación Cultural Valentín Ruiz Aznar - de 30 de junho a 1 de julho de 2007. Recinto Interno de la C. S. S. Vera - escultura. Granada, Espanha. Tela: O irreversível - acrílica com rasgos e costura.
Mostra Aldravista de Arte - Mostra Internacional - em cooperação com o Concurso Internacional de Artes Plásticas Antônio Gualda - 2006: Museu Casa Alphonsus de Guimaraens, Mariana, MG, de 30 de maio a 13 de junho de 2007.
Playground - 818 Toi Tukhumvit, 55, Tukhumvit Rd.Klongton Nue Wattana, Bangkok - Tailândia de 09 a 17 de junho de 2007. In: XII Circuito Internacional de Arte Brasileira. Realização: COLEGEARTE. Apoio: Ministério das relações Exteriores, Secretaria Estadual e Municipal de Cultura, Aldrava Letras e Artes.
Beiling Art District 798 - Dashanzi - Pequim / China. de 29 de maio a 06 de junho de 2007. In: XII Circuito Internacional de Arte Brasileira. Realização: COLEGEARTE. Apoio: Ministério das relações Exteriores, Secretaria Estadual e Municipal de Cultura, Aldrava Letras e Artes.
Sporthalle Am See, Teestrasse, 60, Hard - Voralberg - Áustria. de 22 a 26 de maio de 2007. In: XII Circuito Internacional de Arte Brasileira. Realização: COLEGEARTE. Apoio: Ministério das relações Exteriores, Secretaria Estadual e Municipal de Cultura, Aldrava Letras e Artes.
Castelo D'Ayala Valva, Itália. Mostra Sguardi di Donna (março 2007) com 12 telas selecionadas pela Associazione Culturale Sèmata de Taranto, entre as premiadas no Concurso Internacional de Artes Plásticas Antonio Gualda- 2006.
Exposição Virtual das telas premiadas no Concurso Internacional de Artes Plásticas Antonio Gualda.
Primeira Exposição Aldravista de Arte. (coletiva) Casa de Cultura de Mariana, Fevereiro de 2006. Promoção: Associação Aldrava Letras e Artes e Jornal Aldrava Cultural.



Edição em 28 de janeiro de 2019 por J. B. Donadon-Leal