Jornal Aldrava Cultural
ISSN 1519-9665
S B P A - Alice Gervason
Artes Visuais
Cartas

Alice Gervason

Sociedade idealizada por Andreia Donadon Leal
Logo criada por Gabriel Bicalho

Alice Gervason Marco Fernandes – Natural de Santos Dumont/MG. Pedagoga. Pós graduada em Alfabetização e Letramento. Bibliotecária. Supervisora Escolar. Professora aposentada. Poetisa por prazer. Possui vários poemas publicados em Coletâneas Literárias; Antologias Poéticas Nacionais e Internacionais e Jornais locais. Participação no 1º Festival Cultural de Inverno de Santos Dumont denominado: "Prata da casa, Ouro do mundo". Apresentação de oficinas e lançamento de livro na 3ª Festa Literária de Rio Novo - Cavaleiros da Cultura, entre outros. Membro Efetivo da SBPA – Sociedade Brasileira de Poetas Aldravianistas. Membro Correspondente da ALACIB – Academia de Letras, Artes e Ciências Brasil. Fundadora e Coordenadora da ABRAAI-SD – Academia Brasileira de Autores Aldravianistas Infantojuvenil de Santos Dumont/MG. Premiação e Menção Honrosa em Projetos Escolares. Certificado e Medalha de Mérito Cultural 2016 – SBPA, pela coparticipação – O Livro das Aldravias – MINERALAMAS. Menção honrosa em poesia pela ALACIB “Prêmio Cláudio Manuel da Costa”. Possui uma página no Jornal Aldrava Cultural como poeta aldravianista. Livro publicado de poesias e aldravias – MOMENTOS – 03/2016. Publicações no face – Aldravias em cores. Idealizadora do Projeto com aldravias - Poesia Alimenta Alma, divulgado em restaurantes. Idealizadora do Projeto “Nas Asas de Dumont, Aldravias FLORescem” com lançamento do livro feito pelos alunos da ABRAAI-SD em Dezembro/2016. Certificado e Medalha “Frei Santa Rita Durão”, pela relevante atuação na área educacional e cultural. Residência: Juiz de Fora e Aracitaba/MG
e-mail: liligervason@yahoo.com.br tel. (32)98429-4037.


Aldravias de Alice Gervason (Aracitaba, MG) postadas em 30 de março de 2017

pulga
atrás
da
orelha
parece
brincadeira
amor
perfeito
desejo
em
flor
encontro
ouvidos
atentos
escutam
orelhas
silenciosas
molduram
palavra
talvez
dúvida
gerada
outra
vez
dedo
indicador
aponta
norte
verte
curso
palavras
perdidas
conteúdo
solto
língua
frouxa
senão
bendito
ao
menos
bem
dito
pobre
sina
cada
meio
vira
quarto
caminho
torto
evidências
nítidas
flagra
essência
ninho
abrigo
rumo
sobra
pena
desalento
sorriso
nos
olhos
supremacia
visão
alegria
existe
desejo
para
experimentar
teu
beijo
nada
além
de
pensamentos
enquanto
restrito
sorte
sua
ser
quem
sou
fui
alma
nua
vagando
na
madrugada
sortilégio
sábio
mestre
torna
rotina
pensamentos
iluminados
como
teia
de
aranha
teço
fama
pranto
incontido
escondido
escorre
interior
ferido
teu
carinho
por
certo
afrouxa
espinhos
inteligência
obcecada
incompleta
ofusca
instinto
cega
inanimado
ausência
emoção
por
certo
objeto
pequenas
porções
de
carinho
revive
alma
julgamento
análise
vaidosa
do
querer
transformar
deixa
pra

desencantou-me
teu
olhar
existe
um
arco-íris
em
cada
canto

Aldravias de Alice Gervason (Aracitaba, MG) postadas em 23 de fevereiro de 2016

corrente
do
bem
busca
verdes
horizontes
faço
porque
gosto
portanto
querendo
faço
aldravia
me
faz
companhia
sintonia
poesia
várias
sapatilhas
centopeia
trocava
todo
dia
minhas
mãos
buscam
direção
ajuda
comunhão
cada
canto
te
encontro
desejos
meus
vinha
veio
vindo
não
chegou
sumiu
verde
porque
te
quero
vida
também
controvérsias
desunião
momentos
de
paz
refeição
ânsia
incontida
gesto
impensado
grande
ferida
moleque
travesso
estripulia
alegria
criança
magia
poesia
aldravia
coração
falando
linguagem
universal
vida
alma
plenitude
amor
sublime
elixir
pisca
farol
avança
sinal
gato
imortal
pede
passagem
sirene
acionada
vida
jogada
infinita
bondade
Deus
desperta

discípulos
sombra
sombrinha
assombrado
corrente
castelo
fechado
abelha
fabrica
mel
borboleta
colore
céu
porco
focinho
tomada
rato
ratoeira
armada
sapo
vira
rei
tatu
vira
bola

Aldravias de Alice Gervason (Aracitaba, MG) postadas em 11 de janeiro de 2016

caminhos
partidas
deixam
marcas
abrem
feridas
fraqueza
vida
mudada
tudo
torna-se
nada
sem
pedir
licença
se
apresenta
indiferença
somos
verdadeiramente
livres
apenas
em
pensamento
encontro
interior
tem
sabor
de
experiência
visão
suprema
do
nada
triste
fim
cheiro
de
relva
molhada
vida
regada
raios
riscos
luz
ofusca
céu
celeste
cama
casal
casual
unilateral
desprezo
aconchego
proteção
divina
eterna
seja
sua
complacência
minhas
insônias
não
são
minhas
fato
cigarro
fumaça
maldita
consome
vida
tormento
olhos
pregados
fixados
visão
única
eu
tempo
intrigas
insinuações
corações
sensíveis
separação
vida
sonho
ilusão
morte
realidade
saudade
quanta
força
irradia
de
mãos
abençoadas
sabedoria
mirar-se
espelho
busca
interior
encontro
sopro
divino
folhas
caindo
vida
mansidão
conhecença
peço
licença
palpites
meus
concepção
pingos
de
luz
respingam
trazendo
paz


Aldravias de Alice Gervason (Aracitaba, MG) postadas em 08 de dezembro de 2015

Minas
Mariana
abraça
portugueses
visitantes
ilustres
Rio
Doce
chorou
lama
ceifou
vidas
lama
lágrima
corrente
destruição
meio
ambiente
poesia
viva
doação
tradição
aldravias
conexão
livros
leitura
cultura
paixão
voo
imaginação
enquanto
muitos
dormem
eu
acordada
sonho
seios
desnudos
embrulho
perfeito
coração
apaixonado
boca
escancarada
palavras
malDitas
sabor
fel
abafo
grito
sentido
doído
interior
ferido
sorriso
acolhedor
viagem
interior
maravilhosa
graça
espelho
reflexo
vida
passada
verdades
anexas
interior
cinzento
fora
agora
sonhos
dourados
céu
firmamento
refúgio
paz
fito
olhar
limites
erros
tensão
silêncio
aliado
consenso
bala
perdida
corta
linha
sequestra
sonhos
afeto
singelo
valor
supremo
amor
eterno
dependência
consciência
vida
jogada
cheque
mate
procuro
qual
barco
velejar
águas
serenas
teu
sorriso
me
encanta
sinceridade
emana
curto
versos
discretos
conexos
diretos
excelsos

 

Aldravias de Alice Gervason (Aracitaba, MG) postadas em 19 de setembro de 2015

abraços
laços
braços
forte
gesto
singular
vida
amada
sofrida
divino
fazê-la
querida
almas
gêmeas
sublime
encontro
casualidade
comunhão
poesia
verdades
confissão
segredos
devaneio
ilusão
atapetar
novos
caminhos
flores
sabores
amores
estrela
solitária
solidária
berço
povo
operário
mãos
estendidas
abençoadas
entrelaçadas
partilha
união
filhos
quantos
sejam
netos
deliciosa
sobremesa
de
repente
do
nada
uma
gargalhada

esperança
olhos
de
esmeralda
na
turbulência

raiou
novo
dia
espetacular
verbo
recomeçar
alunos
esperança
futuro
professor
dom
doação
janela
de
ônibus
televisão
real
desilusão
alegria
pela
vida
experiência
paz
constituída
solidão
vasto
mundo
de
um

paz
interior
infinita
seja
sua
conquista
para
maior
brilho
dos
olhos
sinceridade
morte
ponte
traço
união
vida
regaço
sinos
entoam
chamado
oração
toca
você

no
mundo
desprezado
sede
coração
apaixonado

beleza
exterior
prazer
imediato
interior
constância
mente
iluminada
pelas
estrelas
infinita
luz
velhice
herança
divina
que
nos
ensina
caminhos
diversidade
escolha
decisão
firmeza
chão
inspiração
seleta
sensação
preciosa
seja
venha!

 

Página criada em 19 de setembro de 2015
Editor: J. B. Donadon-Leal